Extraído de Quem reza se salva em...

Introdução



do Cardeal Joseph Ratzinger


Desde que o homem é homem, reza. Sempre e em toda parte o homem se deu conta de que não está sozinho no mundo, de que existe alguém que o escuta. Sempre se deu conta de que precisa de um Outro maior do que ele e de que deve tender a Ele para que sua vida seja o que deve ser. Mas o rosto de Deus sempre foi velado, e só Jesus nos mostrou Seu verdadeiro rosto. Quem vê a Ele vê ao Pai (cf. Jo 14, 9). Assim, se de um lado para o homem é natural rezar (pedir no momento da necessidade e agradecer no momento da alegria), de outro lado sempre existe também a nossa incapacidade de rezar e de falar a um Deus escondido. Não sabemos o que convém pedir, diz São Paulo (cf. Rm 8, 26). Por isso, devemos sempre dizer ao Senhor, como os discípulos: “Senhor, ensina-nos a rezar” (Lc 11, 1). O Senhor nos ensinou o Pai Nosso como modelo da autêntica oração e nos doou uma Mãe, a Igreja, que nos ajuda a rezar. A Igreja recebeu da Sagrada Escritura um grande tesouro de orações. Ao longo dos séculos, subiram, dos corações dos fiéis, numerosas orações com as quais eles sempre novamente se dirigiram a Deus. Ao rezar com a Mãe Igreja, nós mesmos aprendemos a rezar. Estou muito contente, portanto, com o fato de 30Giorni fazer uma nova edição deste pequeno livro que contém as orações fundamentais dos cristãos, amadurecidas ao longo dos séculos. Elas nos acompanham durante todas as vicissitudes da nossa vida e nos ajudam a celebrar a liturgia da Igreja rezando. Faço votos de que este pequeno livro possa se tornar um companheiro de viagem para muitos cristãos.

Roma, 18 de fevereiro de 2005


Cardeal Joseph Ratzinger
(eleito Papa em 19 de abril de 2005 com o nome de Bento XVI)


Italiano Español English Français Deutsch